O MELHOR DA CULINÁRIA CAXIENSE

Intercom SulNo Comments

Você está aqui:O MELHOR DA CULINÁRIA CAXIENSE

A equipe do Frispit elencou algumas comidas típicas da cidade que você deve comer com toda certeza quando estiver no congresso. Confere aí:

Sopa de Agnoline (Capeletti): a receita tradicional é assim: tudo começa com um brodo (caldo em italiano, feito com uma galinha, cozinhada horas e horas).

O segredo de um agnoline daqui está na massa fina e no recheio, que é feito com  farinha de rosca (pão seco e esfarelado), queijo ralado, carne de galinha desfiada, tempo verde picado, noz moscada, um pouco de brodo e ovo.  Depois que o brodo está bem encorpado, vem a hora de despejar o agnoline e temperar, assim, está pronto pra servir. E neste frio, nada melhor que uma sopinha com um vinho para acompanhar.

Carne Lessa: a carne lessa nada mais é do que a carne da galinha cozida para fazer a sopa de agnoline. A carne fica bem macia, afinal, fica cozinhando por horas. 🙂

Pien: o pien, nada mais é do que o recheio do agnoline. O recheio é transformado em um rolo de “salame” e, após isso, colocado no forno, depois de algumas horas, é retirado e está pronto para comer. Ótimo para comer com a carne lessa (carne da galinha que foi cozida juntamente para o brodo da sopa).

Galeto: é uma refeição típica das colônias italianas do sul. O nome real na Itália é “passarinhada”, mas no Brasil alguns bares e restaurantes substituem os pássaros por pequenos frangos. Em geral, é colocado no espeto como o churrasco, e assado em brasa até dourar. Macarrão, radicce com bacon e polenta frita são as pedidas de acompanhamento. Hmm, deu água na boca 🙂

Polenta e polenta brustolada:é uma das formas mais usuais de preparo da farinha de milho aqui no sul. Trazida pelos imigrantes italianos, a polenta logo se tornou um dos pratos mais populares nos estados do sul. Presença constante nas mesas da serra gaúcha, a polenta brustolada é a polenta que, depois de pronta e fria, é cortada em retângulos e colocada, normalmente, na chapa do fogão à lenha, e fica lá até dourar. Depois pode se colocar recheios como molho, e até mesmo, chimias.

Tortéi:nada mais é do que uma massa (cortada em quadrados que medem em torno de 5×5 cm) recheada com uma pasta feita com abóbora. O recheio tem um toque adocicado, que deixa o prato ainda mais gostoso. Após pronta, é acrescentado molho de tomate e  queijo ralado em cima. 🙂

Café Colonial:  é uma fartura de ingredientes servidos em imensas mesas centrais ou na mesa do visitante. Trata-se de uma refeição típica das cidades de origem alemã (aqui na região tem várias) do Rio Grande do Sul, como Gramado, Canela e Nova Petrópolis. Geralmente, um café colonial dispõe de ampla variedade de pães, bolos e tortas doces e salgadas, manteiga, queijos, chimias, presunto, embutidos, leite, café, vinho, chocolate quente, chás, salsicha, cucas, carne de porco, rosca, biscoitos, entre outros. A maioria dos produtos é artesanal. Vale por um almoço!!

Grostoli: conhecido também como cueca virada, o grostoli é um tipo de biscoito doce frito feito de massa de farinha de trigo com ovos, cortado em tiras largas e finas cortadas e ao meio, onde se deve fazer um nó. Após, a massa é frita e polvilhada com açúcar e, muitas vezes, com canela.

Menarosto: são carnes em espetos assadas somente em brasas, como o galeto e o churrasco, por exemplo. A diferença é que vários tipos de carnes são assadas ao mesmo tempo, como a codorna, leitão, coelho, frango, costelão, etc. Todas são espetadas intercaladas com fatias de toucinho. Todo o processo de cozimento leva aproximadamente 5 horas.

Quirera: nada mais é do que milho quebrado e socado no pilão cozido em água. Após é inserido alguns ingredientes deliciosos, como calabresa, temperos, salsinha, alguns colocam torresmo ou linguiça. Pode ser acompanhada por arroz e couve.

Bauru: aqui, o Bauru é feito com carne, presunto, queijo e molho de tomate por cima. Tudo é preparado, montado e depois levado ao forno por alguns minutos. Arroz, batata frita e pão são ótimos acompanhamentos. 🙂

Salame e Copa: salame é uma é um delicioso embutido feito com carne de porco. Depois de pronto, ele é guardado durante 35 dias numa estufa até perder quase toda a água e ficar desidratado, após isso, fica pronto para consumo. Já a copa é feita com fatias de um músculo do porco, depois de pronta, ela também fica numa estufa para desidratar, porém, leva quase o dobro do tempo para ficar pronta. As combinações para os dois fica por conta do queijo e do pepino, tornando-se maravilhosos petiscos :p

 Texto: Denise Costa

Arte: Eduardo Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top